Era uma vez no Oeste: o infanticídio político de Jonatas

Atualizado: 23 de fev.

Em 1968, Sergio Leone dirigiu um épico filme de faroeste: Era uma Vez no Oeste. Com trilha sonora de Ennio Morricone, o filme começa com uma pacata família organizando um almoço em que seria celebrado o casamento do pai, viúvo há seis anos.


Vê-se uma revoada de pássaros. A filha mais velha, Maureen, belamente vestida de branco, sorri com o vôo dos pássaros. Um tiro se escuta. Os pássaros continuam voando. Maureen cai no chão. O pai corre em defesa da filha e é alvejado seguidas vezes. Outro tiro atinge o filho do meio.


Finalmente, Timmy, o caçula, de aproximadamente nove anos, aparece. Ele vê o pai e os irmãos mortos. De trás das moitas, surgem cinco homens armados vestindo capas escuras. Henry Fonda, interpretando o chefe dos bandidos, sorri com crueldade. Pá. Timmy morre.


2022, Engenho Roncadorzinho, Barreiros, Zona da Mata Sul de Pernambuco. Sem trilha sonora, sem câmeras, sem atores famosos, um faroeste acontece.


Sete homens armados e encapuzados entram na casa de Geovane Silva, presidente da Associação de Moradores, e disparam. Jonatas, menino de nove anos, filho de Geovane, se esconde embaixo da cama. Pá. Jonatas morre.


Em comum com o clássico de Sergio Leone, o infanticídio cruel e a sangue frio que aconteceu em Engenho Roncador tem a motivação: uma disputa por terras.


A terra, onde há 40 anos vivem e plantam cerca de 400 trabalhadoras e trabalhadores rurais, sendo 150 crianças, já foi propriedade da Usina Santo André do Rio Una, que pediu falência há mais de 20 anos e hoje é uma massa falida administrada pela Justiça e cobiçada por empresas que atuam na cultura da cana-de-açúcar.


O Engenho onde aconteceu o assassinato foi arrendado pela Agropecuária Javari, que iniciou o plantio de cana-de-açúcar na propriedade e tem planos ampliar a atividade. Os planos incluem a retirada das famílias que vivem e cultivam suas lavouras no local. Todas as famílias são de ex-trabalhadores da usina, ou seus descendentes, que não receberam seus direitos após a falência e são, portanto, credores da usina.


Em outubro do ano passado, o Tribunal de Justiça de Pernambuco negou pedido de reintegração de posse movido pela empresa e pelo síndico da massa falida, recomendando a solução do conflito por meio do diálogo e da conciliação.


O crime chama a atenção para a banalização da violência e dos conflitos no campo nos últimos dez anos, segundo relatam organizações ligadas à agricultura familiar, como Comissão Pastoral da Terra (CPT) e FETAPE.


Segundo relatos das organizações do Campo, os casos de violência começaram pela destruição das lavouras, envenenamento das fontes de água utilizadas pela população e das plantações por uso direcionado de agrotóxico.


Os conflitos e a forma de atuação dos assassinos não se limitam a Barreiros e se estendem a outros municípios da Zona da Mata Sul, como Jaqueira e Maraial.


O Brasil é o terceiro país que mais mata ativistas ambientais no mundo, só atrás de Filipinas e Colômbia. E parece que a frequência destas notícias de assassinatos em conflitos por terra começam a normalizar o inominável.


As violações aos direitos humanos na Mata Sul do Estado chegaram à ONU em agosto de 2021, através de relatório da FIAN (Organização pelo Direito Humano à Alimentação e Nutrição Adequadas). Segundo o relatório, os conflitos na região envolvem cerca 1.500 famílias de ex-trabalhadores e 7 mil hectares de terras de usinas falidas.


O relatório Conflitos no Campo Brasil 2020, da CPT, aponta um crescimento de 57,6% nos conflitos agrários no Brasil desde o início do governo Bolsonaro. Só em 2020, o total de conflitos foi de 2.054. Esse é o maior número de conflitos por terra registrado desde 1985.


Quando a barbárie se torna cotidiana, ela deixa de ser tratada como barbárie e passa a ser tratada como rotina.


O infanticídio político de Jonatas, porém, nos tira o chão. É um marco. E precisa ser o ponto final da violência no campo. Não podemos mais viver como se estivéssemos em um faroeste. Porque um faroeste é renunciar ao estado de direito e quando renunciamos ao estado de direito somos brutalizados e retrocedemos à selvageria.


A morte de Jonatas precisa nos chocar e nos indignar com todas as forças. Jonatas morreu embaixo de sua cama, lugar onde as crianças se escondem quando estão com medo. Que monstro perverso dispara contra uma criança escondida em baixo da cama? Tal qual o personagem de Henry Ford, que sorri de prazer e de escárnio ao matar o pequeno Timmy, esses assassinos desprezam a vida no que ela tem de mais puro e mais sagrado: a infância e seus símbolos.


Que seja feita JUSTIÇA, pelas mãos do DIREITO, para que os conflitos pela terra não nos transformem em terra sem lei.



Referências:

Filme: Era uma vez no Oeste. Diretor: Sérgio Leone. Produção Paramount Pictures, Rafran Internacional e San Marco Production. Ano: 1968


Comissão Pastoral da Terra, Conflitos no Campo Brasil 2020. Goiânia, 2021


Sobreira, Vinícius,. Sob gestão Bolsonaro, cresce número de pernambucanos afetados por conflitos no campo. Brasil de Fato.

(https://www.brasildefato.com.br/2021/01/13/sob-gestao-bolsonaro-cresce-numero-de-pernambucanos-afetados-por-conflitos-no-campo). Em 13 de janeiro de 2021


Nunes, Kleber. ONU vai investigar ‘ataques químicos’ contra camponeses da Mata Sul de Pernambuco. Marco Zero Conteúdo. (https://marcozero.org/onu-vai-investigar-ataques-quimicos-contra-camponeses-da-mata-sul-de-pernambuco/). Em 20 de agosto de 2021.




0 visualização